sexta-feira, 11 de dezembro de 2015

Zuckerberg tenta convencer governo Chinês a desbloquear Facebook.


O fundador do Facebook, Mark Zuckerberg foi “cortejar” a China numa tentativa de desbloquear o acesso dos chineses à rede social mais famosa do mundo. Ele até aprendeu mandarim, acolheu funcionários chineses para o seu escritório e pediu para o presidente Xi Jinping escolher um nome para a sua “criança” ainda não nascida.

Mas, longe de dar certo, seus cortejos não tiveram sucesso.

Lu Wei, regulador da Internet na China, disse que o país não tem planos de parar de bloquear sites estrangeiros, o que inclui sites de mídia social como Facebook, Twitter e Instagram, bem como alguns sites de notícias.

“Eu não posso te mudar, mas eu tenho o direito de escolher os meus amigos”, disse Lu Wei em uma rara entrevista coletiva nesta quarta-feira.  



“Eu tenho que escolher. Nós não acolhemos aqueles que vêm para a China para ganhar dinheiro enquanto a mancham.”

“É como uma família que não acolhe pessoas hostis como convidados em sua casa,” continuou ele.

Sem Censura?

Ativistas dizem que, no ano passado, os reguladores fecharam ferramentas que permitem às pessoas acesso a conteúdos bloqueados e ameaçou seus desenvolvedores, tanto dentro como fora do país.

Lu se defendeu dizendo que a China não censura conteúdo online, mas que como a maioria dos países, regulamentou esses acessos.

“Se nós realmente censurarmos a Internet, como é que a nossa população de usuários da Internet e sua dependencia da internet continuam a crescer?”

“Deixe-me dizer-lhe, a China tem quatro milhões de sites, quase 700 milhões de usuários de Internet, 1,2 bilhões de usuários de telefones móveis, bem como 600 milhões de WeChat e Weibo usuários. Todos os dias eles postam 30 bilhões de mensagens. É simplesmente impossível para qualquer país ou organização censurar 30 bilhões de mensagens.”

Mas ele acrescentou: “Sem censura não significa que não haja nenhuma linha de fundo. Se você tocar essa linha e violar a lei, você será responsabilizado.”.

A indústria chinesa de tecnologia tem prosperado - em parte através da criação de versões chinesas fortemente regulamentadas de serviços populares bloqueados que muitos usuários dizem ser tão bons, se não melhores do que as versões originais.
Em vez de Google, os usuários chineses têm Baidu; em vez de Twitter, eles têm Weibo; e em vez de Facebook, há WeChat.

No entanto, Lu, que estava entre os funcionários que visitaram o campus do Facebook no ano passado, não fechou totalmente as portas para Zuckerberg e outras empresas de tecnologias bloqueadas na esperança de fazer mais negócios na China.

“Estamos abertos a todas as empresas da Internet em todo o mundo. Contanto que você não prejudique os interesses nacionais da China ou os interesses dos consumidores chineses, nós saudamos você e seu crescimento na China.”
                                                                                                                                                             

 (Fonte: CNN Asia)


Share:

0 comentários:

Postar um comentário